Ministro do Interior diz que ninguém se aproximou das autoridades da Guiana em nome dos haitianos

Ministro do Interior diz que ninguém se aproximou das autoridades da Guiana em nome dos haitianos

O ministro do Interior da Guiana, Robeson Benn, frustrou qualquer esperança de que 34 haitianos presos em Barbados possam encontrar refúgio no país sul-americano.

Além disso, Benn afirmou que os documentos usados ​​pelos haitianos para entrar em Barbados com a assistência de uma agência de viagens sediada em Barbados são “falsos”.

Ele disse que, ao contrário das promessas feitas aos haitianos antes de sua chegada a Barbados e durante sua provação aqui, ninguém se aproximou da Guiana em seu nome.

“Nós não vamos”, disse Benn à casa de mídia online local. ondas demeraraquando perguntado se seu governo estava pensando em conceder vistos para o grupo que supostamente iria para a Guiana e o Brasil.

“Até agora não fomos contatados por ninguém que os represente diretamente. Sua boa fé que vimos é falsa. Há documentos de identidade do Brasil que não são legais e também há outros documentos que vimos que são falsos”, acrescentou o ministro do Interior da Guiana.

Benn disse que seu escritório está trabalhando com as autoridades de Barbados em outros aspectos dessa “atividade” que “está acontecendo há algum tempo”. Ele não forneceu detalhes adicionais sobre a atividade “em andamento” a que se referiu.

O grupo de cidadãos da CARICOM chegou aqui de Porto Príncipe em 20 de fevereiro e teria passado por momentos difíceis em Barbados quase inteiramente à mercê de uma agência chamada MPH.

Alguns dos haitianos disseram que pagaram mais de US$ 4.000 para fazer a viagem, com base em promessas feitas a eles por funcionários associados ao MPH no Haiti.

Noelson Dossous, um jovem de 19 anos que está entre os jovens sem-teto, exigiu um reembolso total.

“Eles levaram nosso dinheiro totalizando US$ 4.500”, disse Dossous. Barbados HOJE.

“Eles o levaram para o Haiti. Eles vieram e nos deixaram aqui, pegaram nossas malas e nos deixaram aqui. Eles nos deixaram aqui como cachorros na rua, como pessoas que não têm tutores”, disse o adolescente.

Inicialmente, o grupo não deveria passar mais de 15 dias em Barbados antes de ser transferido para a Guiana ou para o Brasil.

Na terça-feira, eles foram despejados de apartamentos em Wanstead Gardens St James por um proprietário que teria recebido anteriormente mais de BBD $ 23.000 para abrigá-los.

No contingente há pelo menos oito menores além de uma gestante. Na noite de terça-feira, o grupo foi visto arrastando malas, mochilas e outros pertences pela comunidade suburbana.

Fontes próximas à situação disseram que os haitianos agora estão alojados em pequenos grupos em propriedades espalhadas pela ilha com a ajuda da Associação Haitiana de Barbados.

O embaixador de Barbados na CARICOM, David Comissiong, disse que as autoridades de imigração estavam tratando os haitianos como um grupo de cidadãos da CARICOM que estão no país para uma estadia de seis meses.

A codiretora da Associação Haitiana de Barbados, Pearlie Drakes, destacou que o grupo está fugindo da turbulência social, política e econômica no Haiti e pediu que sejam tomadas medidas para que possam trabalhar e viver em Barbados.

“Estou convencido de que eles podem contribuir para a sociedade e a economia de Barbados e é com base nisso que sugiro que as autoridades analisem a melhor forma de incorporar essas pessoas. Não acho que enviá-los de volta ao Haiti com as dificuldades que persistem lá agora… faz sentido”, disse Drakes.
[email protected]

Leia nosso documento eletrônico. Rápido. Fatual. Livre.

Inscreva-se e fique atualizado com Barbados GRATUITAMENTE últimas notícias.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *